Home / Fitness Atividade física / De Cianorte, Morena Rosa é destaque no setor de vestuário em todo Brasil

De Cianorte, Morena Rosa é destaque no setor de vestuário em todo Brasil

O setor de confecções e vestuário é o segundo maior empregador na indústria de transformação paranaense. De entendimento com dados do Cadastro Universal de Empregados e Desempregados (Caged) de março de 2021, emprega mais de 50 milénio pessoas, ficando detrás somente do substancial, que ocupa 198 milénio pessoas. Responde, ainda, por 7,7% da força de trabalho, conforme dados da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep). São 3.748 incorporados do gênero no Estado, 98% deles de pequeno porte.

Uma marca de destaque internacional também tem origem paranaense. O Grupo Morena Rosa é de Cianorte, no Noroeste do Estado, conhecida uma vez que capital do vestuário. Hoje, a empresa tem murado de 6 milénio pontos de venda espalhados por 1,7 milénio cidades brasileiras, e exporta suas confecções para 12 países.

O grupo tem cinco marcas. O carro-chefe é a Morena Rosa, que almeja se tornar a referência da tendência brasileira para o mundo. Somam-se a ela Maria Valentina, Lebôh e Zinco, subida internamente, e a Iódice, adquirida em 2019. Uma constituição procura contemplar diferentes públicos, compondo um portfólio que também inclui lingeries, tendência praia, tendência fitness e acessórios.

Sua história de sucesso, no entanto, começou por premência. Em 1993, Marcos Franzato vendeu seu Monza para debutar a empreender. Junto de sua esposa e dois cunhados, montou a empresa, produzindo e vendendo peças por ano.

Em 1997, uma empreitada teve sua primeira viradela, partindo para um padrão de negócio seguido até hoje: uma representação mercantil.

“Até logo, pouquíssimas empresas tinha um representante batendo mala e atendendo clientes do Brasil inteiro. Daí veio nossa origem. Até hoje, 70% dos nossos clientes estão em cidades com menos de 100 milénio habitantes ”, afirma Lucas Franzato, fruto dos fundadores e presidente desde 2018.“ Esse padrão foi um divisor de águas que nos trouxeram amplitude, volume, capilaridade e penetração nas cidades menores ”.

Com o tempo, o grupo se consolidou e se tornado sabido nacionalmente com grandes campanhas públicas. Estrelando celebridades internacionais uma vez que Sarah Jessica Parker e Naomi Campbell, movimento em visibilidade. “Com muita dedicação, criamos um pouco que é muito difícil no nosso ramo: ser ao mesmo tempo uma indústria de produção e uma grande marca”, acrescenta Franzato.

Hoje são murado de 1,5 milénio funcionários, com sede principal em Cianorte. Em 2016, a empresa expandiu seu negócio para o mercado do dedo e para o varejo. Isso é feito através de franquias focadas em grandes cidades e um novo projeto de lojas multimarca premium para municípios com até 15 milénio habitantes, que revendem somente uma vez que marcas do grupo. A expectativa é chegar a 100 franquias até 2022 e 300 multimarcas premium até 2023.

“São dois movimentos transformadores que a gente quer fazer na empresa, se conectando ao do dedo. Hoje, temos 65 franquias, 20 delas abertas no ano pretérito, no meio da pandemia. Começamos a virar a chave para cidades médias e grandes, nas quais a gente não tinha penetração. Para a maioria das empresas, as grandes representam mais da metade das vendas. Para nós, 15%. Por isso, temos um grande caminho para trilhar nas capitais ”, explica o presidente.

Até 2016, 95% do faturamento do grupo vinha do padrão de revendas. Em quatro anos, essa frente diminuiu para 65%, abrindo o espaço para as franquias e-commerce. Juntos, os dois passaram a simbolizar 35% do faturamento, sendo 20% somente no do dedo, impulsionado pela pandemia.

“Nossa expectativa é que em 2021 nosso faturamento seja maior ou linear ao de 2019, pré-pandemia. Retivemos empregos e não fechamos fábricas ”, diz Lucas. “Nossa origem é fazer tendência com o coração. São marcas de famílias que, através da Morena Rosa, conquistam as suas vidas, e isso para nós é motivo de muito orgulho ”.

(Dependência Estadual de Notícias)

Inspirado no Post: Se Quiser Ver o Original

Check Also

Muito-estar no Alentejo – Meato do intercâmbio

Depois meses de pandemia e isolamento, as pessoas estão mais atentas ao seu bem-estar. A …